Polymega

Novidades sobre o Polymega

Novidades sobre o Polymega

1280 720 ED!

A essa altura do campeonato você já deve saber o que é o Polymega. Ah não sabe? Aqui mesmo no Aperte tem um post contando tudo sobre ele. Mas se você curte uma jogatina retrô, o Polymega pode ser algo que te interesse e o Aperte está acompanhando de perto. E hoje tem novidades sobre o Polymega. 

No vídeo anterior sobre o Polymega, falei sobre uma mudança importante no projeto que foi o abandono do FPGA em favor de um processador mais rápido. FPGA é um chip capaz de emular outros chips, é um hardware programado para emular hardware. A emulação tradicional é software emulando hardware, de forma que é mais focada em resultados do que em fidelidade. Enfim, ambos buscam o mesmo resultado mas de formas diferentes, FPGA é mais interessante para quem busca fidelidade ao hardware original, como o NT, NT mini e o Super NT da analogue, que são todos em FPGA e provavelmente os melhores nintendos e nintendinhos já produzidos, para os padrões modernos melhores até que os originais.

Mas ao mesmo tempo que o FPGA foi embora, apareceu a emulação do Sega Saturn, que é um sistema complicadíssimo de emular graças a sua arquitetura insana. E no trailer oficial do Polymega foi mostrado gameplay da versão do arcade do Sega Rally como sendo do Saturn, o que levou a internet a loucura, achando que era tudo fake. O pessoal da Polymega disse que foi um engano do editor de vídeo e garantiu que a emulação do Saturn é real. E no último dia 13 de Setembro, soltaram um vídeo de 25 min de jogatina de saturn rodando direto do polymega.

Separei alguns trechos do que achei mais interessante desse vídeo, e também vou aproveitar para falar um pouco dos jogos apresentados. Mas já adianto, estou impressionado positivamente.

O primeiro jogo mostrado é a versão japonesa do Guardian Heroes. Esse é um jogo da Treasure, umas das minhas desenvolvedoras favoritas que fez muitos jogos de extrema qualidade, como Radiant Silver Gun e Ikaruga. Guardian Heroes é um beat’n’up, jogo de porrada estilo Final Fight e Double Dragon. Gráficos e músicas excepcionais, tudo no estilo medieval. A mecânica de jogo dele é scroll lateral, mas com dos planos diferentes, você pode alternar entre eles exatamente como ocorre no Fatal Fury.

Interessante que já dá para ver o sistema operacional do Polymega em ação, no caso ele está carregado a ISO do jogo, que é a imagem copiada do cd, em uma velocidade muito boa, quase que instantânea, em um Saturn real haveria uns bons segundos de espera até o cd finalizar a leitura e o jogo começar. Reparem também que a imagem está cristalina, perfeita. Não notei quedas de velocidade nos frames e o áudio também está muito bom, cristalino e sem engasgos. Outra coisa bacana é a funcionalidade de save state sendo mostrada funcionando.

O Segundo jogo que separei foi o Panzer Dragoon 2 Zwei. Panzer Dragoon é um clássico da Saturn, foi um dos primeiros jogos que vi e me impressionou bastante na época. Ele é um on-rail shooter, traduzindo ao pé da letra é um jogo de tiros sobre trilhos, isso quer dizer que você tem um caminho pré-definido para seguir. Mais ou menos como Space Harrier, After Burner, porém você joga montado em um Dragão. Panzer Dragoon 2 é um prequel do jogo original, mas com melhorias de gráficos e mais opções dos caminhos que você pode seguir. E do novo rodando redondinho, gráficos tão afiados que dá para cortar o dedo.

O último jogo que vou falar hoje é do The House of the Dead, o primeirão mesmo. É um dos meus jogos de pistola preferidos, o primeiro nem tanto, mas segundo jogo eu acho bom demais, me fez comprar um Dreamcast. O curioso aqui é que o jogo demorou um pouquinho para carregar, mesmo sendo ISO. Na verdade eu estou assumindo que foi ISO, porque o console não aparece em nenhum momento no vídeo, mas pelo que vi no Sistema Operacional do Polymega, fiquei com essa impressão. O detalhe aqui é que The House of the Dead é um jogo de pistola, feito para as TVs de tubo. Essas pistolas são incompatíveis com a tecnologia das TVs modernas. É possível jogar com o gamepad controlando a mira, mas é horrível, não recomendo. E novamente o jogo rodou redondinho no Polymega, e esse jogo em particular eu me lembro que rodava bem mal em emuladores. E não sei como eu tenho duas cópias originais desse jogo no Saturn.

Olha eu realmente estou impressionado com a qualidade da imagem e a performance da emulação do Saturn no Polymega. E partindo do princípio que nada seja fake, só a emulação do Saturn sozinha já pode fazer o Polymega valer a pena.

Também dei uma conferida no site do Polymega para ver a quantas anda a arrecadação, e no momento que gravo este vídeo, está em $433.852 dos 500 mil da meta inicial, tá quase lá faltando mais de 23 dias. E notei nas recompensas das metas estendidas módulos para o PC-FX CD que foi o último console da NEC e também para o atari 2600 e 7800, mas isso aí para 1.5 e 2 milhões de trumps respectivamente.

Agora quero saber o que  você achou dessas novidades? Despertou interesse? Pensa em comprar o Polymega? Me conta aí nos comentários que eu leio e respondo tudo. E se curtiu deixa aquele like e compartilha com os seus amigos.

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Eu sou o Ed, e até amanhã.

Tudo sobre o Polymega

Tudo que você precisa saber sobre o Polymega

1280 720 ED!

Tudo sobre o Polymega também está disponível em vídeo no Youtube.

Quando ouvi falar a primeira vez do Polymega eu fiquei impressionado, era para ser um console baseado em FPGA que iria rodar uma pancada de sistemas que usam cartuchos e CDs. Parecia bom demais para ser verdade. Parecia. O que mudou? Eu já conto para você.

Ok. Quando o Polymega surgiu, prometia ser o retro console dos sonhos. Rodando mídia física, cartuchos e CDs para diversos sistemas diferentes incluindo: Playstation, Mega Drive, SegaCD, Neogeo CD, NES, Super Nes, PC Engine e até o SuperGrafx. Isso tudo usando FPGA. E o que é FPGA e por que isso é importante?

FPGA é basicamente um chip que pode ser programado para ser outros chips. É uma forma de replicar hardware, então por exemplo dá para colocar cada chip de um nintendinho dentro de um FPGA, e basicamente ter o sistema todo dentro de um chip só. Ah mas isso não é igual emulação? Não, não é. Emulação é software, é um programa que foi escrito para se comportar como um hardware. E qual a diferença disso na prática? FPGA oferece a possibilidade de ser 100% de compatível ao hardware original, ou seja o FPGA pode se comportar de forma idêntica até no nível dos elétrons passando pelos circuitos. Isso é impossível com emulação. E não me entenda mal, existem emuladores incríveis, mas nunca terão o mesmo nível de fidelidade que um hardware em FPGA pode oferecer.

E isso era o que o Polymega ofereceu inicialmente. Um sistema híbrido, que seria parte FPGA e parte emulação. Seria um sistema modular, com uma base para rodar os jogos em CD e os módulos de cada um dos consoles adquiridos a parte. Os jogos podem ser jogados diretamente dos cartuchos ou instalados na memória do console através de uma loja digital. Segundo consta, a galera da Polymega está negociando com as desenvolvedoras para vender os jogos de forma legal. O que também quer dizer que não existe suporte para ROMs, pelo menos não de forma oficial.

Os módulos seriam dedicados a cada sistema e suas variantes, então por exemplo o módulo para o NES (mas não para o famicom, já falo sobre isso), tem o slot para os cartuchos de NES e as entradas para os controles originais. E seria a mesma coisa para Mega Drive, Pc Engine, e SNES. Cada módulo também acompanha um controle adicional e jogos pré-carregados na memória. Resumindo é um sistema tudo em um compatível com uma porrada de consoles, rodando jogos e controles originais, pronto para ser jogado na sua tv gigante em HDMI, sem precisar  passar por conversores, Up Scalers e etc. Parece interessante para você? Eu achei, mas como faz para comprar? E o preço? Já adianto que não é barato.

O Polymega está usando um sistema de pré-vendas como financiamento coletivo, a meta é arrecadar 500 mil dólares. Por enquanto, só dá para comprar no próprio site da Polymega . Na pré-venda a base sai por 250 trumps e os módulos a partir de 60 trumps. Considerando que o dólar já passou dos 4 reais, para nós brasucas o custo ficaria por volta de 1000 reais + frete + taxas e impostos. Deve dobrar o preço. Ouch.

Mas calma, que a história continua. As coisas mudaram. No dia 5 de setembro de 2018 a Polymega soltou um anúncio dizendo que agora o Sega Saturn seria suportado também. Sensacional. Rumores estavam falando até sobre Dreamcast. Essa é a parte boa. A parte ruim é que o FPGA já era. Foi deixado de lado, para receber um upgrade no processador central. Na prática isso quer dizer que o Polymega deixou de lado o aspecto de fidelidade de hardware e se transformou em uma outra caixa de emulação, como tantas outras que já existem por aí.

Eu não falei nada sobre a estética do Polymega até agora, mas achei o design de tudo muito bonito. E como o FPGA foi eliminado, a estética passa a ser um dos diferenciais. Mas meu nível de interesse caiu drasticamente. Por que gastar uma pequena fortuna com outra caixa de emulação? Só porque é bonitinha por fora? Eu estava muito interessado em uma solução definitiva via hardware, mas se tudo virou emulação sei lá, não sei para que iria precisar do Polymega. Colecionadores muito provavelmente já tem os consoles originais. Os que não são colecionadores provavelmente já tem muitas opções de jogar por emulação. Parece que o Polymega perder a sua alma, a sua essência.

Espero ter esclarecido os pontos principais do Polymega para você que está interessado. Se curtiu deixa um like e mais importante, compartilha com seus amigos. E claro essa é somente a minha opinião, quero saber de você, o que você achou sobre isso tudo? Tem interesse no Polymega? Me conta aí nos comentários. Se você quiser mais detalhes técnicos, é só visitar site oficial do Polymega.

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Até o próximo post!