nostalgia

corrente retrogamer

Corrente Retrogamer

1280 720 ED!

A Corrente Retrogamer foi criada para ajudar a divulgar os canais menores, e no último vídeo do ano, Gilão do canal Games Que Pariu fez o favor de indicar o Aperte para a Corrente Retrogamer, são cinco perguntas íntimas e pessoais sobre nossa vida retrogamer. Muito obrigado Gilão, vai ter volta! :D

As perguntas da corrente retrogamer são as seguintes:

1- Qual o jogo que mais te emocionou?
2- Qual a franquia favorita?
3- Quem me apresentou os jogos antigos?
4- Top 3 consoles de todos os tempos?
5- O que os jogos antigos significam para mim?

E para a corrente continuar indiquei o Junião do Canal Minicastle e a Anika do canal Anika Bonny.


Entrevista que dei para a Vivi do Canal Gargamel Verde: http://bit.ly/entrevistaed

Back to the Passado é a série que é pura nostalgia do Canal Aperte Start, viajamos no tempo pelos anos dos videogames, toda segunda-feira um novo episódio.

#nostalgia #anos80 #natal

Inscreva-se no Canal Aperte Start http://bit.ly/canalapertestart

Back to the Passado

Back to the Passado é a série que é pura nostalgia do Canal Aperte Start, viajamos no tempo pelos anos dos videogames, toda segunda-feira um novo episódio.

Episódios anteriores:

Back to the Passado: 1985 http://bit.ly/bttp1985
Back to the Passado: 1989 http://bit.ly/bttp1989plus

Quer maratonar?

Todos os episódios: http://bit.ly/bttpplay

Quer Jogos baratos?

Humble Bundle: http://bit.ly/apertebundle

Entre em contato conosco

Facebook e Instagram @apertestartoficial

email: contato@apertestart.net

Caixa Postal 4132
Rua Holanda 202
CEP 82501970
Paraná – Curitiba

Back to the Passado: 1993

Back to the Passado: 1993 com Maurício Silvério, o Mauhard do Retrohard! Canal Aperte Start #072

1280 720 ED!

Back to the Passado chega ao quinto episódio viajando no tempo para o ano de 1993, com a participação especial de Maurício Silvério, o Mauhard do canal Retrohard e seu sonho de conhecer o Jurassic Park.

Mais um episódio transbordando de nostalgia e muito videogame! Assista aqui http://bit.ly/bttp1993!

Inscreva-se no Canal Aperte Start http://bit.ly/canalapertestart

Back to the Passado

Back to the Passado é a série que é pura nostalgia do Canal Aperte Start, viajamos no tempo pelos anos dos videogames, toda segunda-feira um novo episódio.

Canal Retrohard: http://bit.ly/retrohard

#nostalgia #anos90

Episódios anteriores:

Back to the Passado: 1985 http://bit.ly/bttp1985
Back to the Passado: 1989 http://bit.ly/bttp1989plus

Quer maratonar?

Todos os episódios: http://bit.ly/bttpplay

Quer Jogos baratos?

Humble Bundle: http://bit.ly/apertebundle

Entre em contato conosco

Facebook e Instagram @apertestartoficial

email: contato@apertestart.net

Caixa Postal 4132
Rua Holanda 202
CEP 82501970
Paraná – Curitiba

História dos jogos cancelados para Sega Mega Cd e Sega 32x.

1280 720 Dan

Fala pessoal tudo bem? Olha eu aqui novamente…

Faz um bom tempo em que eu não publico nada, mas hoje trazendo curiosidades sobre tais jogos na qual foram cancelados para Mega Cd/ Sega Cd e 32X.

Mas irei comentar só alguns deles, pois se fosse falar sobre cada um, eu teria que criar uma mini revista para falar de tudo hahaha!  Vamos lá?

Alguns títulos até me corta o coração só de saber do seu cancelamento, pois só de ver certos nomes fico imaginando como seria sua existência na qual podendo estar jogando hoje.

Começamos então falando sobre:

Morphs: Flashback 2 – Mega CD / Sega CD.

É a sequência cancelada do jogo original desenvolvido em 1992 pela Delphine Software do nosso famoso Mega Drive.  Flashback 2 teria sido um jogo de plataforma 2D cinematográfica sci-fi e este novo capítulo foi planejado para o grande  Genesis / Mega Drive Mega CD add-on. Por algumas razões, a Delphine era grande fã da Sega Mega Drive, contou Paul Cussiet (criador de Flashback) para a revista Retro Gamer n°118: “ A melhor versão para mim é a versão para Mega Drive. O jogo foi criado para esta plataforma “.

O Flashback 2 nunca foi oficialmente anunciado pela Delphine, mas pudemos reunir alguns detalhes sobre essa sequência perdida graças a Thierry Levastre , um desenvolvedor francês que trabalhou na Delphine como artista 2D / 3D por muitos anos. Thierry nos disse que a equipe Flashback começou a trabalhar no Flashback 2 depois que o primeiro foi lançado, mas apenas um rascunho inicial de sua história, intro do jogo e uma curta animação de um mech foram feitos antes do projeto ser cancelado .

Inicialmente parece que a Delphine decidiu se afastar dos jogos de ficção científica e começou a trabalhar em uma nova aventura de fantasia medieval chamada “ Dragon Blade ” e um novo jogo de corrida intitulado “ Enduro Rider ”, que mais tarde foram escolhidos pela BMG Interactive para serem publicados. para PC e Playstation nos EUA. Depois de muitos anos de desenvolvimento, Dragon Blade evoluiu para Darkstone: Evil Reigns (finalmente publicado em 1999 ) e Enduro Rider provavelmente se tornou  Moto Racer (finalmente publicado em 1997).

Podemos especular que Delphine teve alguns problemas internos de desenvolvimento com Dragon Blade e Enduro Rider, pois eles logo ressuscitaram sua sequência de Flashback para trabalhar novamente nessa ideia. Eles eliminaram suas clássicas animações gráficas 2D e rotoscopadas, para investir seus esforços na criação de um mundo totalmente 3D . No final, o projeto evoluiu para “ Fade to Black ”, a sequência 3D oficial do Flashback lançada em 1995 para PC e Playstation. Até onde sabemos, a história inicial planejada para o Flashback 2 foi adaptada e reutilizada para o Fade to Black.

É interessante notar que Delphine também trabalhou no terceiro capítulo cancelado de Flashback , intitulado “ Flashback Legends ”, em desenvolvimento para o GBA no início dos anos 2000. Infelizmente a Delphine teve que fechar as portas em 2002 por falência.

Europe Racers – Mega CD / Sega CD

European Racers é um jogo de corrida para IBM PC lançado em 1993. Na qual o mesmo seria portado para o Mega-CD da Sega em 1994, mas, apesar de ser anunciado na América do Norte, nunca foi lançado.

Revell-Monogram anunciou o lançamento do European Racers, o primeiro título em sua revolucionária nova linha de software Power Modeler para junho de 1994. A versão Sega CD de European Racers foi planejada para ser lançada no final do ano e seria publicada pela Dreamers Guild.

O jogo falava de ser um  simulador de condução que poderia ser jogado com qualquer um dos quatro pilotos europeus como Porsche 911 Slant Nose,  Bugatti EB110 turbo,  Italdesign Nazca M121 e o Lamborghini Countach, e começa com uma corrida desafiadora, excitante e realista. através das estradas secundárias da Europa, desviando dos obstáculos e às vezes fugindo da polícia para chegar a uma das quatro pistas: a Zurich Switchback, Sicilian Jackknife, Barcelona Corkscrew  e  Stuttgart Screamer. Se os jogadores chegarem na pista a tempo, antes de ficarem sem gasolina ou incorrerem em muitos danos ao carro, eles enfrentarão cinco competidores na tela, em uma corrida repleta de ação de cinco voltas.

Segmentos de vídeo aleatoriamente selecionados aparecem ao longo do jogo, apresentando um policial, um membro experiente da tripulação, um apresentador de esportes, um guardião esperto, um atendente de posto de gasolina e uma rainha da beleza admiradora, para adicionar emoção e realismo incomparável.

Anúncio impresso em Sega Visions (EUA) # 15: “Outubro / Novembro de 1993”

Os jogadores podia até  modificar seu carro, antes e durante a corrida, para mudar seu desempenho em resposta a condições meteorológicas e de estrada geradas aleatoriamente. As modificações incluem alternar entre a transmissão automática ou  manual, e selecionar entre cinco configurações de asa ou spoiler e três opções de pneus. Os jogadores também teria que determinar com quanto combustível começar a corrida e se devia ou  não reabastecer  para  não correr o risco de terminar o jogo.

Para tornar o jogo o mais realista possível, as especificações técnicas de cada carro foram incorporadas ao jogo para simular o desempenho real de cada um dos carros esportivos europeus

Pop´N Land – Mega Cd / Sega Cd

Pop’n Land é um jogo de ação de rolagem lateral que também foi outro na lista dos cancelados para o Sega Mega CD, provavelmente desenvolvido por Takeru (como você pode ler no GDRI ) e publicado pela editora Sur De Wave de Takeru . O jogo adicionou um sabor de RPG à sua jogabilidade, permitindo que os jogadores costumizar seu herói. Na verdade, você poderia ter atribuído 16 opções diferentes para a cabeça, corpo e arma, permitindo 4.096 combinações diferentes, algumas outras úteis totalmente sem valor. Pop’n Land tinha 15 fases fofas e coloridas, cada uma com um chefe único. O jogo nunca foi lançado por razões desconhecidas.

Nem tudo foi perdido, porque uma faixa de música Pop’n Land “Pleasant Companions” composta por Yoshitsugu Yokoyama e organizada por Issei Asaoka está incluída no Super Mega Drive Fan – Mega-CD Super Music Collection Vol.1.

The Strangers – Mega Cd / Sega Cd

The Strangers seria um jogo de luta de um para um baseado em personagens de quadrinhos de Malibu (mais três novos personagens feitos especificamente para este jogo). No EGM edição 59 há uma pequena pré-visualização do jogo em um estado muito inicial. The Strangers provavelmente nunca foi lançado porque o desenvolvedor, Malibu Interactive, fechou por volta de 1994 (a previsão é de meados de 1994)

Esse seria na verdade muito cômico:

Hammer vs. Evil D. in Soulfire Mega Cd / Sega Cd

Um jogo de ação cancelado baseado no MC Hammer , um rapper americano mais popular no final dos anos 80 até meados dos anos 90. Quem lembra de uma das musicas suas mais famosa U Can’t Touch This! O jogo estava em desenvolvimento pela GTE Entertainment e teria sido publicado pela Sega para o seu add-on Mega CD para o Genesis / Mega Drive, mas por algumas razões, nunca foi lançado.

Nós nem sabemos muito sobre a jogabilidade “Hammer vs. Evil D. in Soulfire” e apenas um pequeno vídeo pode ser visto nos vídeos abaixo (segundo às 03:45). Se você conhece alguém que trabalhou neste jogo, por favor nos avise!

Bom, falaremos um pouquinho agora dos títulos do 32X.

Castlevania “The Bloodletting”. – Sega 32x

Como podemos ler no Castlevania Wiki , Castlevania: The Bloodletting é um jogo Castlevania cancelado que foi planejado para ser lançado para o console Sega 32X. Um único sprite para três personagens e isso foi tudo. O que tinham deste jogo. Através de entrevistas posteriores com Iga, foi revelado que o jogo se destinava a apresentar Richter Belmont, Maria Renard e um rival para Richter, na qual não foi revelado.

Embora anunciado para o Sega 32x (incluindo dois relatados com sua screenshots), jogo foi surgir apenas como, Symphony of the Night que foi anunciado para o PlayStation.

A Konami naquele tempo mostrou alguns projetos para algumas grandes franquias, com Parodius, e Dracula X para o SNES. E no meio havia também Castlevania: The Bloodletting, um novo Castlevania, que estava sendo planejado para o 32X. No entanto, a equipe que trabalhava neste jogo acabou sendo engolida pela equipe do Symphony of the Night, e Bloodletting não existia mais.

“E para quem não sabe, esse Castlevania seria uma continuação de “ Rondo of Blood” do famoso Pc Engine.”

Lembram quando falei que coração até apertava sabendo de tais títulos cancelados?, pois bem esse aqui é um deles.

Caso queiram saber mais sobre a historia do Castlevania Bloodletting, recomendo acessar a página no link: http://www.vgmuseum.com/mrp/2/canceled-page2.htm

X-Men: Mind Games – Sega 32x

X-Men: Mind Games é um jogo de ação cancelado que estava em desenvolvimento pela Scavenger e teria sido publicado pela SEGA em 1995/1996 para o 32X. O jogo foi exibido na E3 1995 e uma demo jogável foi encontrada e vazada pela comunidade Sega Saturno em agosto de 2009!

Esta versão só pode ser reproduzida através de hardware real (edit: agora suportado pelo Kega Fusion) e é um protótipo inicial com um par de níveis. Um espelho do beta vazado pode ser baixado no Hidden Palace.

Bom, o próximo de fato alguns vão ficar espantados, principalmente nosso amigo @Godoy do VGDB.

Soulstar – 32x / Jaguar Cd

O Soulstar foi um jogo de Mega-CD criado pela Core Design e, após seu lançamento, duas conversões separadas foram planejadas. Um era uma porta para o CD do Jaguar, sob o mesmo nome, enquanto o outro era uma versão atualizada para o 32X, sob o nome de Soulstar X. No final, nenhum deles foi lançado.

Bom galera e isso ae!, queria poder relatar e comentar mais sobre os títulos, porém ficaria na verdade muito extenso, até como havia dito antes, então paro por aqui e deixo a vocês uma vasta listagem abaixo dos títulos cancelados:

 

MEGA CD / SEGA CD

Captain Commando

Citizen X

Indiana Jones  – and the fate of Atlantis

Burning Fists

Monkey Island 2

Sister Sonic

Penn and Tellar´s

Battletech

Europe Racer

Flashback 2

Hardcore

The 4th Unit: Merry Go Round

Bug Blasters: The Exterminators

 

SEGA 32X

Fractal Racer

X-Men mind games legion

Jet Ski Rage

Phankeeh Akkshun!

Ratchet and Bolt,Saban’s

Virtual Hamster

Alien vs Predator

Timmy Time

Heavy Machinery

32X-Treme

Adventures of Hollywood Spot, The

Alien Trilogy

Alone in the Dark 2 32X CD

Apache
Batman Forever

Castlevania the Bloodtletting
Casper
Clay Fighter 2
College Basketball
College Basketball’s National Championship Hosted By Billy Parker
Converse City Ball Tour
Ecco The Dolphin
Golf
Hoops
Izzy’s Quest for the Olympic Rings
Judge Dredd
Kingdom: Far Reaches
Midnight Raiders 32X CD
NBA Action ’96
NFL Trivia Challenge
Power Rangers 32X CD
Primal Rage 32X CD
Prime Time NFL Football
Race Drivin’
Ratchet & Bolt
RayMan
Revolution X
Shadow Of Atlantis
Shell Shock
Soul Star X
SPOT
Spot Goes to Hollywood
Street Fighter: The Movie
Surgical Strike
Thunderhawk 2
Tom Cat Alley Deluxe
Virtua Hamster
Virtual Golf
VR Troopers
Wing War

Então é isso galera espero que tenham gostado.

Forte abraço e até mais.

Dan.

Saudade da época dos videogames clássicos

Saudade da época dos videogames clássicos

1280 720 ED!

Já parou para pensar nos jogos que temos disponíveis hoje? Spider Man, God of war, são coisas que jamais imaginamos quando éramos crianças. Mas apesar de tanta tecnologia, ainda bate aquela saudade de uma época mais simples, daquela época dos videogames clássicos. É disso que vou falar hoje.

Assim como quem não quer nada, vou te contar que essa matéria também está disponível em vídeo no Youtube, e tá super nostálgica e recheada de convidados especiais. Tem Alex Mamed, Vivi Scarabelo, Marcus Garret, Cleber Marques da Revista Warpzone, Juan do Snestalgia e o Mauhard! do Retrohard! Para facilitar ainda mais sua vida, o vídeo está aí embaixo, só clicar no play;

Locadoras

Comprar jogos no Brasil nunca foi muito fácil. Desde a época do Atari, como praticamente tudo era importado, havia pouca disponibilidade e o que tinha era caro. Então se você gostava de videogame naquela época, tenho quase certeza de que era sócio de alguma locadora. Eu deve ter sido sócio de umas 10 pelo menos. Às vezes você escolhia aquela perto de onde você morava, outras vezes ia naquela que era longe mas que tinha mais jogos para escolher. Quem podia alugar durante a semana era melhor, no final de semana além de mais caro os jogos evaporaram. Foi assim conheci a maioria dos jogos do Atari. Também aluguei bastante jogos de nintendinho e mega drive. Ainda tem locadoras de jogos hoje, mas não é nem de longe a mesma coisa. Naquela época ir na locadora era um evento, sempre rolava aquela ansiedade de será que vai ter novidade? Será que tal jogo vai estar lá? Era bom demais mesmo.

Revistas

Se ir na locadora era um evento, ir na banca de jornal era outro. Internet começou a aparecer lá pelo meio da década de 90, antes disso para ficar sabendo das novidades do mundo dos games haviam três formas, ou na conversa com os amigos, quando passava alguma coisa na televisão e a principal, nas revistas. Quando eu estava sem grana para alugar jogos, ia nas bancas de jornal e passava horas folheando as revistas que estavam abertas. Já haviam revistas nacionais, mas quase sempre as informações nela estavam meio atrasadas, o legal mesmo era pegar as revistas importadas. E aí o mundo se abria para você. Quanta coisa eu só fiquei sabendo que existia porque tinha lido numa revista importada. Aqui no Brasil chegava quase nada, por exemplo, durante muito tempo atari para mim sempre foi o 2600, nunca imaginava que houvessem outros modelos ou que a atari também fabricava computadores. Melhor ainda que as revistas importadas americanas ou inglesas, eram as japonesas. Um dia descobri uma banca que importava a Famitsu e umas outras que não lembro o nome. Foi assim que fiquei sabendo da existência do Neo Geo.

Arcades

Dá até uma tristeza falar disso, ainda existem alguns arcades espalhados por aí, mas estão minguando e uma hora vai ser coisa raríssima de se encontrar. Mas nem sempre foi assim, nas décadas de 80 e 90 havia arcades aos montes. Tinha os arcades ou fliperamas grandes, mas todo buteco tinha pelo menos uma máquina. Era comum ter máquinas de fliperama em qualquer tipo de comércio na verdade. É muito louco lembrar que fliperama já foi uma das principais formas de entretenimento para muita gente. Vocês se lembram do Playcenter? Foi um parque de diversões em São Paulo que tinha um arcade gigantesco chamado Playland, acho que o maior que vi no Brasil. Tinha todo tipo de máquinas, desde arcade analógicos até as máquinas mais modernas para a época, como After Burner. Foi lá que eu joguei Operation Wolf, Hard Driving, F1-Circus. Era muito bom, cada vez que ia lá tinha novidade. E Playland tinha em outros lugares, a que eu mais frequentava ficava no shopping Morumbi em São Paulo, que era muito mais perto de onde eu morava E da minha escola que o playcenter. Mechanized Attack, Tartarugas Ninja, Olimpíadas, 720 Graus, The Simpsons, tudo isso e muito mais vi lá a Playland.

Facilidade

Uma das coisas que mais me irritam nos videogames atuais é a espera. Espera para download, espera para instalação. Se você não se planejar um pouco, é capaz de não conseguir jogar na hora que você quer. Isso nunca acontecia com atari, nintendo, megadrive, super nintendo. Se o cartucho não pegasse com uma assopradinha, é porque a parada tava mais séria e o videogame tinha que ir para o hospital. Mas nunca que você ligava o videogame para jogar e ficava esperando uma eternidade olhando para a tela sem nada acontecer. Mentira, quem teve Neo Geo CD sabe do que estou falando.

Falei de tanta coisa até agora, mas faltou falar das embalagens. Sinto muita saudade da época que você comprava um jogo e dentro da caixa vinha todo tipo de coisa, brindes, posters, manual, encartes… isso em qualquer jogo. Hoje isso é exclusivo a edições de colecionadores. Nas versões comuns nem manual vem mais. As vezes nem o disco, vem só a caixa com um código para download. Tem até edição de colecionador sem o jogo, insano.

Estas são algumas coisas que eu sinto falta da época dos videogames clássicos, e agora quero saber de você, o que te dá mais saudade da época dos clássicos? Me conta aí nos comentários que eu leio e respondo tudo. Muito obrigado a você que chegou até o finalzinho do post. E se curtiu deixa aquele like e compartilha com os seus amigos nas redes sociais, só clicar no botãozinho share aí ao lado e escolher. 

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Eu sou o Ed, e até amanhã.

Por que a nostalgia está na moda?

1280 720 ED!

Deixa eu te perguntar uma coisa, em que ano você nasceu? Década 70? 80? 90? Muito provavelmente devem ter várias coisas da sua infância gravadas em granito na sua memória. Sabe aquele brinquedo, aquela comida ou aquele videogame que você jogava e de repente bate aquela saudade, aquela vontade de jogar novamente? Isso se chama nostalgia.

Estamos vivendo um momento especial para quem é nostálgico nos videogames. Vários jogos clássicos estão voltando e ganhando muita atenção na mídia. Olha só, Streets of Rage 4, Battletoads, Samurai Shodown, Shenmue 3, Metroid, Mega Man 11, isso só entre os que estão para chegar. Já chegaram King of fighters, Double Dragon 4, Strider, Ducktales, Castle of Illusion entre outros. Todos títulos bem conhecidos, mas tem muita coisa no cenário indie que está seguindo a mesma linha, como the Messenger, Dead Cells, Shovel Knight. Tem muita gente na indústria apostando forte na nostalgia. Tem muito dinheiro a ser feito nesse nicho para quem souber aproveitar.

Mas por que agora? Será pura coincidência? Muitas dessas franquias nostálgicas estavam abandonadas a duas, três décadas ou mais por suas desenvolvedoras. E estamos falando de franquias que eram importantes, na época eram os jogos AAA de muitas delas. E no entanto estavam completamente relegadas ao esquecimento. Eu penso que a razão para isso é o custo de produção elevadíssimo que o mercado impõe para quem quer acompanhar a tecnologia. Todo mundo quer ser GTA e Fortnite e faturar bilhões, mas poucos conseguem. E a consequência desse alto custo econômico para produzir um jogo para competir no mercado AAA é um freio na criatividade e na inovação. Repare que as últimas duas gerações de videogames, incluindo a atual, estão abarrotadas de remakes e remasters. E quando um jogo grande vende mal, geralmente o estúdio quebra. Não tem segunda chance. E aí vemos um ciclo interminável de jogos anuais. Assassins Creed, Battlefield, Call of Duty, Fifa…a lista é grande.

Aí pequenos estúdios que tentam ganhar espaço no mercado, ou os grandes que querem publicar jogos com baixo custo, mas com boa chance de sucesso encontraram na nostalgia o caminho das pedras para capitalizar suas franquias encalhadas. E de momento a mídia está de bem com a nostalgia, e também é certo que terá publicidade positiva além da boa vontade dos jogadores mais experientes…que já passaram dos 30….tiozão né….como eu.

Mas isso só a minha opinião e esse post tá terminando por aqui. Me conta aí nos comentários se a nostalgia é importante para você e se você vai pegar algum desses velhos jogos novos que estão para sair. Eu leio tudo e respondo. E se curtiu deixa aquele like e compartilha com os seus amigos.  E se você tem alguma  pergunta, sugestão de temas para os próximos posts, fica a vontade para comentar também.

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Eu sou o Ed, e até amanhã.