Nintendo

N64 Classic chegando?

N64 Classic chegando?

1280 720 ED!

Tem um rumor rolando aí, será que tem um N64 Classic chegando? E o interessante é que isso ocorre justamente quando a Sony acaba de anunciar o Playstation Classic, será que teremos um replay de Playstation versus N64?

Seguinte, hoje é dia 23 de Setembro de 2018 e até esse momento não existe nenhum anúncio oficial ou qualquer coisa parecida com isso com relação ao lançamento do N64 Classic. Então de onde vem esse rumor? Ano passado, a Nintendo iniciou um processo de registro de patente para um controle de N64 no departamento de propriedades intelectuais da União Europeia, e agora essa patente foi publicada e registrada junto com esse desenho, que é um controle de n64 obviamente. O interessante é que a Nintendo fez exatamente o mesmo procedimento com o Nes Classic e com o Snes Classic, e pouco tempo depois lá estavam os dois no mercado enchendo os bolsos da Nintendo com muita grana.

E se a história tende a se repetir….um n64 classic é uma possibilidade 100% viável. Você se lembra como foi o duelo original entre o playstation e o n64? O Nintendo 64 vendeu cerca de 32 milhões de unidades. E o playstation cerca de 104 milhões. Isso é mais ou menos três playstations para cada nintendo 64. Não foi bem um duelo, mas um massacre. Mas entenda, o n64 não foi mal, 32 milhões é um número expressivo. Isso é mais que o dobro do WiiU por exemplo, é 30% mais que o GameCube. Mas não foi páreo para o Playstation. Porque se na venda dos consoles o N64 levou uma surra, no questão dos jogos… O Nintendo 64 tem 389 jogos lançados oficialmente… já o playstation tem mais de 2500.

Sei que você deve estar entretido na leitura, mas caso te interesse, essa matéria também está disponível no youtube. O vídeo está aí em baixo ;)

N64 Classic tem chance?

Mas e agora, em um duelo N64 Classic contra playstation classic, será que o n64 teria chance? Eu acho que sim. Especialmente considerando que o Playstation Classic vem com apenas 20 jogos ao preço de 100 dólares. Se a n64 tiver um preço menor com mais jogos, já terá boa chance. Pense também que muito menos gente teve acesso ao n64, 3 playstations para cada n64 lembra? Isso pode tornar o n64 classic bem mais atraente que o playstation classic, que literalmente todo mundo teve.

N64 não deu tão certo comercialmente porque a Nintendo fez algumas escolhas equivocadas. Continuou apostando na mídia em cartuchos em um momento que os jogos em 3d precisavam de muito espaço. Além de mais caro, os cartuchos eram muito limitados. Os maiores cartuchos de n64 como Resident Evil 2 e Conker Bad Fur Day possuem 512 mbit ou 64mb. E se você tá na dúvida o que é um bit ou byte, já fiz um post sobre isso. Um único CD ROM tem 640 MB de espaço, 10x mais que o maior cartucho de n64 a uma fração do preço. Essa limitação afastou muitos desenvolvedores, Final Fantasy 7 por exemplo são três cds, um jogo desse tamanho seria impossível no n64. E o que falar daquele controle em formato de tridente? Odiado por muitos, inclusive por mim.

Então não dá para falar com 100% de certeza que o N64 Classic tá chegando, mas é bem provável que sim. E se realmente for sair, não deve demorar para Nintendo fazer o anúncio, faltam só alguns meses para o natal e seria a época perfeita para isso, e  agora só resta aguardar.

Mas e você? O que você pensa sobre um possível N64 classic mini? Compraria? Você é fã no n64? Me conta aí nos comentários que eu sempre leio e respondo tudo. E se curtiu deixa aquele like e compartilha esse post com os seus amigos, é só clicar no botão share aí do lado. 

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Eu sou o Ed, e até amanhã.

Nintendo Direct, Resumão

Nintendo Direct, Resumão

1280 720 ED!

Ontem ocorreu outra Nintendo Direct, aquelas apresentações pré gravadas que a Nintendo usa para mostrar as novidades. E teve volume heim, jogos numerosos. Porém poucos jogos novos e muito, muito requentation.

Vamos passar o mais rápido possível pelos requentations e depois vamos aos destaques de verdade. Preparados? Bora.

Para o 3DS

Luigi’s Mansion, Kirby’s Extra Epic Yarn  e Bowser’s Inside Story.

Para o Switch:

New Super Mario Bros. U Deluxe, Katamari Damacy, Cities: Skylines, Civilization VI, World of Final Fantasy, Final Fantasy XII, Final Fantasy VII, IX, X, e  X-2.

Mais um personagem para o super smash bros ultimate, a isabelle do animal crossing, mais conteúdo para  Yo-Kai Watch, para Splatoon 2 e Mario Tennis Aces. E o mais legal de todos os requentations foi o Capcom Beat ‘Em Up Bundle, que inclui os seguintes jogos Final Fight, Captain Commando, The King of Dragons, Knights of the Round, Warriors of Fate, Armored Warriors e Battle Circuit, e esses dois últimos inéditos nunca haviam saído do arcade, muito massa mesmo. E a capcom japonesa também anunciou uma edição de colecionador insana para o Switch e PS4, vai lá e segue o aperte no insta no @apertestartoficial que tem as fotos para você. E para quem se interessar o switch tb vai receber uns jogos de tabuleiro também.

Sei que você deve estar entretido lendo a matéria (espero kkk), mas só quero te avisar que ela também está disponível no youtube. Na verdade o vídeo dela está logo abaixo desse parágrafo, caso você prefira assistir ou ouvir ao invés de ler.

Agora os jogos novos

Luigi’s Mansion 3, nome provisório. Tem também o Town que é um RPG que se passa todo dentro de uma vila também com nome provisório  e o destaque na minha opinião foi o DAEMON X MACHINA, um jogo de ação entre mechas que se passa na lua com visual de anime. Me lembrou bastante Zone of the Enders. Todos esse jogos previstos para 2019 ou depois.

Fora isso, a nintendo também apresentou dois hardwares novos, um bundle temático do Super Smash Bros que tem um dock, um código para o jogo e um par de joycons com um design diferente. E também um par de joycons no estilo dos controles do Nintendinho. Maneiro não vou negar, mas…. sempre tem um mas né… lembra que eu falei em outro post que a Nintendo odeia a internet?

Se liga como a Nintendo complica as coisas. Esses novos controles só servem para os jogos de nintendinho que vem junto com o serviço online do Switch e mais nada. Bizarro. E falando no serviço online, tem novidades. Já tem data para começar, dia 18 de setembro de 2018. Tá logo aí, mas…

Complicação nas nuvens

Além de todas as limitações já discutidas do serviço de salvar jogadas nas nuvens, tem mais uma agora. É…saiba que se você parar de pagar pelo serviço online, suas jogadas serão eliminadas imediatamente dos servidores da Nintendo. Muito legal. E quer mais uma? Sabe aqueles vinte joguinhos de Nintendo que vem junto com o serviço online? Então, você terá que se logar na rede pelo menos uma vez do semana OU você perde o acesso aos jogos. Mesmo pagando o pacote mínimo que é mensal. Não logou em sete dias, já era. E por que? Creio que seja porque a Nintendo morre de medo que você pare de pagar pelo serviço e fique com os joguinhos de Nintendo instalados. Acho insano isso.

Mas claro que essa é somente a minha opinião. Me conta aí nos comentários o que você achou da Nintendo direct, quais seus jogos preferidos e o que está achando desse serviço online do switch. Se curtiu deixa aquele like e compartilha com os seus amigos. 

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Eu sou o Ed, e até amanhã.

Por que a nintendo odeia a internet?

A nintendo odeia a internet, a crise nas nuvens do Switch.

1280 720 ED!

É a Nintendo aprontou de novo e deixou o mundo de boca aberta pelas razões erradas. Vou te falar três palavras que tem nada em comum: Internet, nuvem e Nintendo. Como uma empresa capaz de produzir jogos brilhantes, entre os melhores da história dos videogames, não consegue assimilar a internet. Eu já te conto.

Quem poderia imaginar que salvar o progresso dos seus jogos na nuvem poderia ser algo tão desafiador e perigoso? Uma tarefa absurdamente tão complicada que nenhuma outra desenvolvedora de jogos ousaria sequer tentar. E as que tentaram, falharam. Só que não. Em 2018 salvar o progresso dos seus jogos na nuvem é das coisas mais triviais possíveis. Menos claro para a Nintendo, que além de querer que você pague por esse privilégio de salvar sua jogada, conseguiu arrumar a desculpa mais esfarrapada possível para justificar sua incompetência nesse assunto. Explico.

Nesse mês de Setembro de 2018, após quase um ano e meio do lançamento do Switch, o serviço online do console finalmente vai oficialmente para o ar. Ao preço de 3.99 dólares mensais vai oferecer jogos de nintendinho, loja do switch, ofertas especiais e a cereja do bolo, salvar as jogadas na nuvem. Algo oferecido gratuitamente desde a geração passada por todo mundo. Mas fosse só a grana o problema….a questão é que mesmo pagando, usar a nuvem para salvar jogadas não vai ser para todo jogo. Na real tem muitos jogos excluídos dessa “novidade”. Praticamente todo e qualquer jogo que seja online e seja competitivo. E por que?

Pode puxar uma cadeira e se sentar para não cair. De rir ou de desespero, um dos dois. Porque a Nintendo alega que essa é a única forma de proteger os jogadores honestos e evitar que os trapaceiros usem as jogadas salvas na nuvem para ganhar vantagem nos jogos. Como por exemplo vender um item qualquer, recarregar a jogada na nuvem e vender o mesmo item novamente. Eu não estou zoando, isso é sério gente. Jogos como Pokémon, Splatoon, Dark Souls, Dead Cells, FIFA 19 e NBA 2K19, nenhum deles terá suporte a nuvem no Switch. Curioso que todos os jogos citados que são multiplataformas tem suporte a nuvem nos outros consoles. Sabe o que ainda é mais curioso? Pensa comigo. Os servidores que guardam as jogadas na nuvem não são da própria Nintendo? Então por que os dados de quais itens o jogador tem no inventário também não são salvos na nuvem? Nunca vi sony, microsoft ou steam terem problemas com isso. O que me leva a crer que a Nintendo está fazendo uma gambiarra nível master para poder salvar jogadas na nuvem, e que também tem um medo desgraçado de ser hackeada a qualquer momento.

E essa crise das jogadas na nuvem é problemática, porque a Nintendo não permite salvar a jogada fora do Switch de nenhuma forma. No próprio jogo? Não. No cartão SD? Não. Então no pen drive? Não. Só na memória interna do Switch mesmo. Isso quer dizer que se Switch der problema, você vai perder todas suas jogadas para sempre. A jogada salva na nuvem vinha remediar esse problema. Ênfase no vinha, já que com toda essa limitação sem sentido, o problema persiste.

Mesmo para a Nintendo, isso é uma desculpa ultra esfarrapada. Ela não se cansa de demonstrar que não entende a Internet. Basta ver suas políticas no youtube por exemplo. E o app de celular mandatório para você poder ter chat online no Switch? Outra gambiarra. Eu já ouvi dizer que isso acontece por falta de memória interna e disponibilidade de banda no processamento. O Switch não a capacidade de rodar seu sistema operacional, um jogo e mais um app de chat internamente. E eu acho que isso é verdade. Por isso digo que a Nintendo odeia a Internet.

E essa matéria tá terminando por aqui e quero saber o que você está achando do serviço online do Switch? Você concorda com o que a Nintendo está fazendo ou acha desculpa esfarrapada?  Deixe sua opinião aí nos comentários que eu leio e respondo tudo viu? E se curtiu deixa aquele like e compartilha com seus os amigos.

Não deixe de se inscrever no nosso canal no youtube e de nos seguir no insta @apertestartoficial.

Eu sou o Ed e até amanhã!

Paixão pelos games marcada para sempre na pele

1280 720 Ricardo Syozi

Há muitos anos atrás, em um reino bonito chamado de adolescência, eu decidi fazer algo que para muitos me tornava um completo bobão: uma tatuagem. Várias pessoas não aprovam o fato de você marcar seu corpo eternamente com tinta, mas não era o fato de eu fazer uma tattoo que desagradava muitos ao meu redor (meus pais inclusive). O problema em questão é o que eu tatuei:

Sim, eu possuo uma tatuagem do logotipo da Nintendo em meu braço esquerdo, e com muito orgulho por sinal. Com isso em mente, a primeira pergunta que você, leitor, deve estar se fazendo é: “Mas por que diabos uma tatuagem da Nintendo?”. Bom, deixe-me responder sua pergunta com uma outra pergunta: Por quê não?

Há pessoas pelo mundo afora que tatuam o nome do ser amado, que tatuam peixes, ou que marcam seus corpos com símbolos tribais. Todas elas fizeram tais desenhos por algum motivo, algumas se arrependem, outras guardam um orgulho grande por ter tal marca eternamente em seus corpos. A questão não é o que tatuar, mas por quê tatuar.

Eu tatuei o logotipo da Nintendo para representar do meu jeito a minha paixão pela empresa. Eu cresci jogando Mario e companhia, ia na casa de um amigo só para jogar Super Mario Bros. 3, passei horas de minha vida me divertindo com colegas em meu Nintendo 64, voltei a ter um videogame em casa por causa da série Metroid Prime no Game Cube. O que a Big N representa para mim é nada mais, nada menos, do que uma parte gigantesca de minha vida, e por esse simples motivo que eu decidi registrar isso em meu próprio braço. O meu motivo é o mesmo do que a maioria: homenagear, representar, demonstrar uma paixão. E disso eu não abro mão em momento algum.

Que fique claro que não estou dizendo para você sair correndo agora de sua casa para fazer uma tatuagem de seu game preferido, não há apologia a tatuagens ou coisas do tipo. O que quero dizer com esse texto é para que você não tenha preconceito ou medo de expressar algum tipo de sentimento positivo. Seja com uma tatuagem, seja com uma camiseta. O que importa é você ser apenas você e viver a sua vida da forma como você deseja, sem seguir padrões de terceiros. Porque o que realmente é sagrado na vida é, convenhamos, gostar de viver.

E agora vou te fazer uma outra pergunta, qual a importância de videogames na sua vida?

Qual a importância dos videogames na sua vida?

1280 720 ED!

Ainda me lembro como se fosse hoje, eu caminhava pelos corredores da galeria Pagé em São Paulo junto com a minha mãe. Isso foi lá por meados dos anos 80, não sei a data exata. Mas fato é que estávamos lá para comprar o que viria a ser o meu primeiro videogame. Na época eu jamais iria imaginar a importância que aquele momento teria em minha vida, e o tanto que influenciou a pessoa que me tornei.

Acabamos escolhendo um game & watch da Nintendo chamado Fire. Nesse game você é um bombeiro, que tem que resgatar a galera que está saltando de um edifício em chamas com uma maca. É viciante, como vários game & watch são. Como o próprio nome diz, o game também é um relógio e alarme, e quando eu parava de jogar a noite, programava o game para me acordar para a escola no dia seguinte. Joguei muito aquilo, incansavelmente até conseguir zerar o modo A, o modo B (que é o mais difícil) eu não me lembro de ter conseguido. Paciência e determinação, foi isso que meu primeiro videogame me ensinou. Ensinar paciência e determinação para uma criança hiperativa é um desafio para muitos pais e professores, mas o Fire conseguiu.

Não muito distante desse momento, minha mãe ficou doente e faleceu. Foi um choque que abalou minha vida. Eu não tinha mais que 8 ou 9 anos, e era uma criança extrovertida, mas depois disso dá para dizer que eu me fechei no meu mundinho. E dentro desse mundinho havia um atari 2600, que também foi ela que havia ido comprar comigo, na mesma galeria Pagé.

Durante um período bem difícil da minha vida, o videogame foi uma válvula de escape que trouxe distração, alegria e devagarinho me ajudou a deixar a tristeza para trás. A essa altura do campeonato eu já sabia que o videogame veio para ficar.

Crescer jogando videogame nos anos 80 por um lado foi maravilhoso, mas também era algo bastante estigmatizado. Hoje videogame faz parte do cotidiano de quase todo mundo, ser nerd ou geek é cultural, mas nem sempre foi assim. Enquanto escrevo, vasculho as profundezas da minha memória para ver se encontro um período que passei sem jogar videogame. Nenhum. Houve um momento que eu me afastei dos consoles depois de vender meu super nintendo, mas migrei para o PC e a jogatina rolava solta nele. Isso durou até o surgimento do Sony Playstation, nessa fase eu já trabalhava e podia comprar minhas próprias coisas, e além de jogar acabei virando colecionador também.

Então respondendo minha própria pergunta, videogames tem muita importância na minha vida. E a importância é tanta, que não consigo imaginar quem eu seria sem eles. Hoje tentam vilanizar os games, mas eu jogo videogame a vida toda e nunca me interessei em armas, só tenho coisas boas para dizer. Graças aos games eu aprendi a raciocinar fora da caixa, aprendi inglês e um pouco de japonês. Os jogos me ensinaram a ter perseverança e paciência desde pequeno, aprendi a traçar metas, a usar a imaginação, a criar estratégias e ter objetivos. Mas principalmente, me trouxe muitos amigos. Por isso tudo e muito mais, sou extremamente grato a tudo que os videogames proporcionaram na minha vida até o momento. E hoje tem jogo grátis no humble bundle, warhammer 40k, pega lá! (ou tinha, não sei quando você está lendo este post kkk)

Mas e você? Qual a importância deles na sua vida? Conta para mim aí nos comentários. Esse foi o post de 30 de agosto de 2018. Aqui no Aperte tem post todo dia. Não deixe de nos seguir no insta @apertestartofical e de se inscrever no nosso canal no youtube. Até amanhã!

 

A facilidade de se jogar videogame

1280 720 Betine Mendes

Final dos anos 80 e início dos anos 90, a febre dos videogames invadia os sonhos de quase todas as crianças da época. Nintendinho 8-bit usando todo seu potencial e os recém lançados Mega Drive e logo depois o Super Nintendo que chegavam para derrubar o queixo de qualquer criança ou adolescente da época. Não podemos esquecer do Master System que aqui no Brasil lançou diversos jogos traduzidos, coisa impossível de acontecer em outros sistemas.

Tive o privilégio de viver essa época e se pudesse mudar minha infância, escolher a época, não trocaria nada. Época onde os jogos começaram a ter história, fases diferentes e finais, alguns pareciam um filme onde você era o protagonista, sem contar músicas perfeitas, sendo que algumas são clássicos inesquecíveis e fazem sucesso até hoje.

Época onde reuníamos os amigos e vizinhos para uma tarde de jogatina, o controle passava de mão em mão e quem estava esperando sua vez, ficava ali folheando as revistas de games da época. Revistas estas que eram nossa única fonte de informação de lançamentos e dicas de como passar determinada fase ou até mesmo terminar algum game.

Mas nem tudo eram rosas, os valores dos consoles e jogos eram fora da realidade, se você acha que hoje um jogo lançamento é caro, na época a realidade era bem pior. Poucas crianças tinham condição de ter um videogame em casa, e mesmo assim os jogos eram poucos, a prática de emprestar dos amigos e alugar era frequente. Minha realidade era um pouco pior, pois em cidades do interior poucas pessoas tinham videogames e locadora então, nem sabíamos o que era.

Cresci, constitui família e os videogames me acompanham desde aquela época, claro que tive aquela época rebelde onde pensava que era adulto e videogame era coisa de criança, mas logo passou e voltei a consumir desse mercado.

Hoje, graças a internet, jogar videogame ficou bem mais acessível e fácil; empresas como Sony e Microsoft oferecem assinaturas mensais onde todo mês é disponibilizado de 2 a 4 jogos sem nenhum custo, e também serviços no mesmo estilo “Netflix” disponibilizados pela EA e também pela Microsoft, onde se pode escolher o jogo em uma vasta biblioteca, só baixar e jogar, não precisa pagar nada a mais por isso, só a mensalidade do serviço. Ah, mais e os jogos novos do Mario? A Nintendo sempre foi ponto fora da curva, ela não faz muita questão no nosso mercado nacional e não se tem jogos ou consoles oficialmente lançados por aqui, o que faz tudo aparecer de forma clandestina ou por importação, com valores de também derrubar o queixo.

Fazendo um comparativo com lá atrás, tudo era tão difícil e complicado, hoje basta ter uma internet e assinar um plano mensal, tudo está resolvido. Nos Estados Unidos a Microsoft está lançando um plano mensal onde o cliente não precisa nem comprar o videogame, o cliente só paga a assinatura e lhe é disponibilizado um console, com conta para jogar online e também seu serviço de “netflix” gamer.

Videogames estão em constante evolução, não só seus jogos e poder gráfico, mas também a forma do cliente consumir dessa indústria, facilitando cada vez mais o acesso a ele.

Mesmo em constante evolução, prefiro lá minha época de ouro onde não era tão fácil o acesso e ao mesmo tempo agradeço muito a tecnologia da atualidade, por disponibilizar emuladores, flashcards, retro-consoles e também tudo disponível nas interwebs (enquanto a Nintendo não fazer a limpa nos sites de ROMS).

Shigeru Miyamoto tem um recado para a indústria dos games

1280 720 ED!

Antes de qualquer coisa, você precisa saber quem é Shigeru Miyamoto e por que a opinião dele é importante. Miyamoto é o pai do Mario, da Zelda e do Donkey Kong entre outros. Não literalmente (espero), mas criativamente. Ele também é um dos funcionários mais antigos da Nintendo, e um dos designers de jogos mais respeitados e bem sucedidos da indústria. É uma lenda viva aos 65 anos de idade.

No último dia 22 de agosto o site bloomberg, publicou trechos de uma entrevista que Miyamoto deu na última Computer Entertainment Developers Conference (CEDEC) no japão, e ele disse muitas coisas interessantes que a indústria precisa ouvir urgentemente.


Traduzindo…”Nós temos sorte de ter um mercado gigante, então se entregarmos jogos com preços razoáveis ao maior número de pessoas possível, teremos lucros grandes também.”

Que homão da po@#$ esse Miyamoto!! O recado dele não podia ser mais claro: a indústria tem que parar de querer tirar cada centavo do bolso dos consumidores como modelo de negócio.

A despeito do lucro exorbitante de mais de 140 bilhões de dólares que os modelos free-to-play, pay-to-win, microtransactions e loot boxes geraram no último ano, Miyamoto acredita que o modelo de preços fixos é mais sustentável no longo prazo.

Muito dessa cultura caça centavos veio diretamente do universo dos jogos para dispositivos móveis, e a Nintendo não é completamente inocente nessa história, vocês se lembram de Super Mario Run? Esse tinha preço fixo, mas e o Fire Emblem Heroes, Animal Crossing: Pocket Camp e vários outros free-to-play caça níqueis que ela lançou? E o Pokémon Go? Até onde sei, foram bem lucrativos o que deixa a opinião atual do Miyamoto ainda incisiva.

Shigeru ainda disse que a indústria dos videogames deve aprender com a indústria da música, que quase foi ao colapso quando os consumidores descobriram o formato MP3 para download. Para ele uma alternativa válida é o modelo de assinaturas.


Traduzindo…”É importante que os desenvolvedores se acostume com o modelo por assinaturas e que encontrem os parceiros corretos para fazer isso. Uma vez que o consumidor entenda o valor desses aplicativos nesse modelo vai se habituar a pagar por eles.”

Confesso que tenho sentimentos divididos quanto a isso. Em aplicativos acredito que funcione bem, eu por exemplo assino o serviço da Adobe que inclui o photoshop, premiere e etc No modelo de preço fixo eu dificilmente teria condições de ter todos eles pelos preços exorbitantes, mas na assinatura é perfeitamente viável para mim. Como eu faria memes incríveis sem eles? Material de pesadelo. Já nos jogos eu tenho minhas dúvidas da viabilidade disso. Em jogos online e competitivos acho que daria certo, mas e nos jogos single player? Jogos de narrativa? Você consegue se imaginar ficar pagando assinatura para jogar God of War? Eu pagaria talvez um ou dois meses até cansar do jogo, depois não mais. Não me parece sustentavel. Mas me conta aí nos comentários o que é que você pensa sobre tudo isso.

Esse foi o post do dia 25 de agosto de 2018. Aqui no Aperte Start tem post todo dia. Não se esqueça de seguir o Aperte no insta @apertestartoficial e de se inscrever nosso canal no Youtube para não perder nada.

Lembrando que gamer sensual de verdade curte, comenta e compartilha com os amigos. Até amanhã.

Rumor: Novo Nintendo Switch. Mas já?

1280 720 ED!

Tem rumores e rumores. Marcus Sellars é um industry insider, traduzindo é aquele cara que sabe de todos os segredinhos que tão rolando na calada da noite. Ele tem credibilidade porque já acertou muita coisa, e tudo que eu vou escrever aqui agora é baseado em informações dele.

Segundo consta a Nintendo está prestes a lançar um novo Nintendo Switch, no comecinho de 2019. Supostamente os specs são os seguintes: 8 gigas de RAM, 128 gigas de memória interna e capacidade de gráficos 4k via dynamic scaling ou escalonamento dinâmico, que é a capacidade de diminuir a resolução em tempo real. Por exemplo, para preservar velocidade ou frames por segundo em uma cena complexa, a resolução cai de 4k para 1080p sob demanda  para poupar poder processamento sem grande perda na qualidade visual.

O processador seria um Tegra X2, que é uma versão mais rápida e que consome menos energia do atual Tegra X. E notem a memória de armazenamento interna 4x maior do que os míseros 32 gigas, um dos pontos mais questionáveis do Switch atual.

Da parte de specs é isso que o Marcus Sellars divulgou, mas tem outra coisa que me chamou mais a atenção, que alguns jogos das terceirizadas só iriam rodar nessa versão mais poderosa, já os jogos da Nintendo iriam funcionar em ambas versões. Segmentar a base instalada dificilmente é bom negócio. Curioso é que a Nintendo já vive uma situação assim como o New 3DS, que é uma versão mais poderosa do 3DS tradicional e que roda jogos exclusivos. E claro, quem vai comprar um console novo, provavelmente vai no mais poderoso, mas quem já tem um dificilmente faria esse upgrade por causa de um punhado de jogos.

Também faz parte do rumor que o valor do novo Switch ficaria entre 299 e 349 dólares, e que o Switch tradicional teria uma redução de preço.

Nessa geração tanto X1 quanto o PS4 receberam versões mais poderosas, então essa parte do rumor não tem nada de anormal, o estranho é que o Switch ainda é um console bem novo no mercado, e no comecinho de 2019 estaria chegando aos 2 aninhos de idade apenas. Os concorrentes receberam seus upgrades depois de 4 anos no mercado aproximadamente. Prematuro? Eu acho que sim, levando em consideração todo mundo que já comprou o Switch, não creio que ficariam felizes de ter nas mãos um console ultrapassado em tão pouco tempo.

E você, me conta aí nos comentários, o que acha desse rumor? Plausível? Impossível? Eu acho que um Switch mais poderoso seria ótimo e ajudaria bastante as terceirizadas a portar seus jogos para o sistema da Nintendo sem ter que sacrificar muita coisa em termos de qualidade. Logo descobriremos o que tem de verdadeiro nisso aí, já que para chegar ao mercado no começo de 2019, a linha de produção já teria que estar pronta o quase pronta pra isso agora.

E esse foi o post do dia 23 de agosto de 2018. Lembrando que no Aperte Start tem post todo dia. Não esqueça de nos seguir no instagram @apertestartoficial e no nosso canal no youtube para não perder nada. Até amanhã!